Para receber as atualizações é muito simples! Basta colocar seu e-mail no campo abaixo!

domingo, 22 de maio de 2011

Carga de Cavalaria no 20º Regimento de Cavalaria Blindado (2011)



Por Luiz Eduardo Silva Parreira


O 20º RCB (Regimento de Cavalaria Blindado) é hoje a "casa dos M-60" do Exército Brasileiro. Unidade de pronto emprego do Comando Militar do Oeste (CMO), seus homens são constantemente motivados e treinados, fazendo dessa OM uma das "ilhas de excelência" do Exército no Brasil. Faz de tudo e em qualquer condições (sempre dentro dos parâmetros de profissionalismo e segurança), o que fez com que - informalmente - alguns de seus ex-integrantes se refiram ao Regimento como o "20 du soeil", em alusão ao Cirque du Soleil, no qual os artistas fazem malabarismos quase inacreditáveis, mas cumprem a missão!

No dia da comemoração ao Dia da Cavalaria de 2011, em 14/05 (em alusão ao natalício do Patrono da Arma de cavalaria do Exército Brasileiro, Marechal Osório, 10/05), o 20º RCB outra vez surpreendeu. Numa festa muito bem organizada, fez a entrega da boina preta aos novos combatentes blindados; demonstrações e encerrou a cerimônia com uma carga de cavalaria, com contingente hipomóvel, mecanizado e blindado (viaturas Land Rover, Marruá, M-60, Cascavel, Urutu e M-113), além de aeronaves do 3º BAVEx (HA-1 e HM-1)!

Excelente!

Dia da Cavalaria 2011 - 20º Regimento de Cavalaria Blindado.
Campo Grande, MS.

Fotografia da Carga de Cavalaria do 20 RCB, em 2011.
Foto: Ten. Leão (o cavalariano a direita do homem com a bandeira).


Historicamente:

"A última grande carga de cavalaria do Exército Brasileiro, num conflito externo, foi realizada pela 4ª Brigada de Cavalaria no final da Guerra do Paraguai (1865-1870), na fase denominada “Campanha das Cordilheiras", na batalha de Campo Grande (ou Acosta–Nhú, ou ainda Nhú–Guazú como a chamam os paraguaios) travada em 16 de agosto de 1869.

Após a batalha de Peribebuy, o Exército Brasileiro, sob o comando do Conde d’Eu, parte em perseguição do Exército Paraguaio, em direção a Caraguatay, no nordeste do Pa-raguai, em busca de uma batalha campal onde pudesse aniquilar o inimigo e por fim à guerra.

Pela estrada de Caacupé–Caraguatay marcha o grosso do Exército Brasileiro, integrado pelo 1º Corpo de Exército do Gen. José Luís Mena Barreto e pela 3ª Divisão de Cavalaria do Cel. Vasco Alves, sob o comando do próprio Conde d’Eu. Realizando um amplo movimento pelo flanco direito, numa perseguição paralela à do 1º Corpo de Exército e a cavaleiro da estrada Barrero Grande–Caraguaty, marcha o 2º Corpo de Exército do Gen. Vitorino, procurando cortar a retaguarda do inimigo.

Por volta das 08:00 h do dia 16 de agosto de 1869, a vanguarda do 1º Corpo de Exército choca-se com o 2º Corpo deExército paraguaio do General Bernardino Caballero, forte de 6.000 homens, num vasto campo denominado Nhu–Guazú.

O 1º Corpo de Exército brasileiro, após reconhecer o dispositivo inimigo e desdobrar suas forças, lança-se ao combate, empregando sobre o centro paraguaio a sua infantaria, protegida em seus flancos pela cavalaria. O inimigo recua, batendo-se em retirada, ofere-cendo tenaz resistência, sem perder, contudo, sua formatura nem deixar de responder com sua artilharia.

Pouco depois das 08:00 h, o 2º Corpo de Exército brasileiro atinge a região onde se juntam as estradas Caacupé–Caraguaty e Barrero Grande–Caraguaty. Sua vanguarda choca-se com um destacamento paraguaio que protegia o flanco da força principal inimiga. Após breve combate os paraguaios são forçados a retroceder em direção a Nhu-Guazú.

Por volta das 10:00 h o 2º Corpo de Exército brasileiro apresenta-se no campo de batalha de Campo Grande, incidindo no flanco do grosso paraguaio. O Gen. Vitorino lança parte de suas forças num movimento desbordante, procurando atingir a retaguarda do inimigo e cortar a retirada paraguaia.

Ao pressentir a chegada do 2º Corpo de Exército brasileiro e percebendo o movimento que este fazia para cercá-lo, o General Caballero, fazendo um último e supremo esforço, decide lançar sua reserva no combate, no intento de liberar a estrada para Caraguaty e permitir a retirada do Exército Paraguaio. O furioso e derradeiro contra-ataque do inimigo choca-se com o destacamento do General Mallet (do 2º C. Ex.) integrado pela 1ª Brigada de Cavalaria e pela Brigada de Infantaria Resin, apoiado por oito canhões.

Neste momento, por volta das 12:00 h, a 4ª Brigada de Cavalaria (2º C. Ex.), sob o comando do Cel. Hipólito Ribeiro, integrada pelo 10º Corpo de Cavalaria do Ten-Cel Chagas e pelo 24º Corpo de Cavalaria do Ten-Cel Isidoro, forte de 600 homens, havia transposto o córrego Peribebuy e colocara-se à esquerda do destacamento do Gen. Mallet, que recebia o impacto do contra-ataque paraguaio. O Cel. Hipólito Ribeiro, percebendo a posição vantajosa de sua brigada e procurando aproveitar a oportunidade que se apresentava, conduz a 4ª Brigada de Cavalaria em uma violenta carga contra a retaguarda paraguaia, destroçando o contra-ataque inimigo e aniquilando o último esforço do Gen. Caballero, contribuindo, assim, decisivamente para o final da batalha.

O General Dionísio Cerqueira, que participou da campanha como alferes e tenente e foi testemunha ocular da carga da 4ª Brigada de Cavalaria na batalha de Campo Grande. Em seu livro “Reminiscências da Campanha do Paraguai”, narra com detalhes este fato: 


Batalha de Campo Grande. Quadro de Pedro Américo (1877).


"Tiroteávamos cerrado, quando vi o bravo Alferes Firmino entusiasmado dando vivas ao Coronel Hipólito. Era uma brigada decavalaria, que transpunha o passo, comandada pelo heróico chefe. Avançava na frente o piquete do príncipe, com o Capitão João Teles, seu comandante.

Era de arrebatar! Aquela força magnificamente montada, avançava a galope sobre as linhas paraguaias, que se uniram e foram rapidamente apoiadas por uma grossa coluna cerrada, que surgiu de trás de um capão e não formou quadrado.

Do galope à carga foi um momento.

Fuzilávamos os paraguaios quase de flanco. Ao lado do Teles, ia, firme nos estribos, revoluteando a lança, um cabo do piquete. Que valente! Vi-o meter as esporas no cavalo e, com um salto enorme, penetrar naquela massa eriçada debaionetas. Ainda deu duas lan-çadas e sumiu-se. Após a carga, os esquadrões voltaram a formar-se. Nesse momento, os paraguaios investiram a baioneta sobre os nossos cavaleiros, que ganharam distância e voltaram a carregar".

Com o desastre do contra-ataque da reserva, os remanescentes do 2º Corpo de E-xército paraguaio põem-se em fuga desordenadamente, sendo completamente destruídos pelos brasileiros. O Exército paraguaio deixou no campo de batalha cerca de 2.000 mortos, 1.500 feridos, 100 extraviados, vinte e três canhões e seis bandeiras.

Na batalha de Campo Grande ocorreu o aniquilamento do Exército Paraguaio. Encerrado o combate, o Exército Brasileiro reiniciou sua perseguição ao Marechal Lopes, presidente paraguaio, travando pequenos combates, até que em 1º de marçode 1870, consegue cercá-lo e destruí-lo no combate de Aquidaban ou Cerro – Corá, encerrando a longa guerra.

O 10º e 24º Corpos de Cavalaria da 4ª Brigada de Cavalaria pertenciam à Guarda Nacional do Rio Grande do Sul (Reserva ou 2ª Linha do Exército Brasileiro), instituição criada pela Regência, que prestou relevantes serviços ao País até o início da República. Seus integrantes usavam, em sua grande maioria, trajes gauchescos; poucos tinham o fardamento regulamentar. Os oficiais eram armados revolver Nagant e as praças de pistola. Todos usavam espadas e lanças.

Em determinada passagem de seu livro “Reminiscências da Campanha do Paraguai, o General Dionísio Cerqueira assim descreve uma tropa da Guarda Nacional do Rio Grande:


"Quando me fui postar à frente do meu contingente, aproximava-se da casa uma força de cavalaria da guarda nacional do Rio Grande. Montavam todos a brida, com as pernas estendidas e a ponta do pé apenas tocando o estribo. Fizeram alto e apearam. Havia oficiais, inferiores e soldados. Alguns tinham barbas longas que lhes desciam até o peito e cabelos trançados que chegavam quase à cintura. 


Seu guisamento era digno de nota: longas adagas de fortes punhos com virotes em cruz e bainhas de prata lavrada; pesadas chilenas também de prata, com tão longos copetes que lhe chegavam aos artelhos, e cossouros de tal diâmetro que lhes dificultavam a marcha; chapéu de feltro de abas estreitas, cobertos de ganga vermelha e presos por barbicachos de borla à ponta do nariz; bombachas vermelhas ou negras e ponches de bicunha de cores vivas ou de outros estofos bordados a seda e agaloados; espadas de ferradura, com três dedos de largura; lanças imensas de conto de prata ou aço polido, de choupa longa e brilhante, com galhos direitos ou em meia-lua invertidas, os cornos pontiagudos voltados para cima e para baixo, que mais pareciam lâminas de corseques e parta sanas alemães; um par de pistolas à cinta, na pistoleira, que era a larga guaiaca, espécie de balteo coberto de chaparias e moedas, onde guardavam onças e libras de ouro, patacões e bolivianos deprata. Os cavalos tinham as crinas tosadas em cogotilho e as colas atadas. Cada um tinha em cima um montão de prataria lavrada. 


As cabeçadas com grandes meias-luas nas testeiras; as rédeas de bomba ou passadores chatos ou esféricos; as bridas de fortes caibas, florões e copas, os largos fiadores de chapas ou filigranas, os buçais, os cabrestos, as cabeças dos serigotes, os estribos do século dezesseis, de grande picaria com longos bocais cilíndricos ou faceados, as cantoneiras das caronas de pele de tigre, os rabichos e os peitorais; tudo era de fina prata lisa ou cinzelada. Sobre os lombilhos e serigotes, pelegos negros cobertos por uma badana e sobrecincha de couro de lontra, de veado ou cinchões escarlates bordados e frangeados. Todos tinham boleadeiras, umas de marfim, outras de ferro retovadas de couro, presas debaixo dos pelegos do lado da garupa. Em muitos, viam-se laços trançados presos a cinchador por um tento de lonca. Poucos traziam pendurados na argola da sugigola ou no peitoral a chaleirinha do mate. 


Era um quadro pitoresco. Havia altos e robustos, claros, de olhos azuis e cabelos a-lourados; outros morenos, musculosos,de cabeleiras negras e lisas e barba rarefeita; alguns de lábios grossos, dentes alvos, maçãs do rosto salientes, nariz achatado e cabelos cache-ados caindo sobre os ombros. “Um ou outro negro.” Após a Batalha de Campo Grande a cavalaria participou de pequenos combates e escaramuças, onde foram envolvidos efetivos inferiores a esquadrão. Pela natureza do ter-reno e dos combates que se travaram no final da guerra, os Regimentos e Corpos Provisórios não puderam mais ser empregados como um todo, não tendo oportunidade de realizar as cargas vibrantes e arrojadas que caracterizaram suas ações em toda a campanha (...)". 

A carga da 4ª Brigada de Cavalaria, no final da batalha de Campo Grande, constitui-se, assim, em fato memorável para a Arma de Cavalaria, pois foi a última vez que forças a cavalo do Exército Brasileiro, com efetivo superior a esquadrão, realizaram uma carga de cavalaria, influindo decisivamente num combate de grandes proporções.

Fonte: De cavalaria.com


Atualização em 25/08/2011 - Dia do Soldado

Flag Counter

2 comentários:

  1. Obrigado, Liz! A comemoração foi mui bem organizada e a vibração dos "Guaicurus" empolga mesmo! Toda a demonstração foi muito bem feita, inclusive com "tiros" dos novos morteiros 120mm. Se fosse na Marinha, mereceria um Bravo Zulu ;-)

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.